_MST3448

NO BALCÃO, UM PAPO ENTRE AMIGOS – COM RECEITA

Da revista CHIQUE! para o site, hoje eu apresento a entrevista que o Augusto Nora forneceu para o amigo Alysson Nascimento. Uma conversa deliciosa, com o acréscimo de uma receita de li ci o sa!

Quem frequenta o restaurante self-service All Gustus, na esquina da Avenida Japão com a Rua Estados Unidos, no bairro Cariru, em Ipatinga, sabe que, ali, os ingredientes mais simples ganham status de iguaria, guardando todo o sabor e a qualidade que cada um possui…
Papo reto entre Alysson Nascimento e Augusto da Costa Lopes Nora resultou nesta reportagem com direito a receita estrelada.

Alysson: Augusto é o Gustão, 44 anos, cozinheiro por paixão e profissão, primeiro com o churrasquinho, depois o restaurante, conta aí como foi a trajetória, como e quando surgiu a ideia de cozinhar como uma fonte de renda?
Augusto: Formado em publicidade e propaganda, resolvi abandonar a área e passei um tempo sem fazer nada, mas pensando em algo que tivesse como referência a comida. No começo pensei em montar uma pizzaria, mas não fixei muito a ideia não… até que um dia cismei de montar um churrasquinho aqui na porta de onde é o restaurante hoje (havia o restaurante, mas não era meu). Sempre gostei de cozinhar. Aos poucos, fui agregando sabores e mais opções para o churrasquinho e, conforme o público ia se diversificando, eu aumentava as ofertas.
Alysson: E o churrasquinho durou quantos anos?
Augusto: Uns cinco anos. Mas quando tinha seis meses de funcionamento, o então dono do restaurante, na época Top Grill, me ofereceu o negócio. Minha namorada, hoje esposa Lara – estamos juntos há 13 anos -, deu a maior força. Surgiu então o All Gustus, mesmo nome do churrasquinho.
Alysson: No tempo do churrasquinho você já flertava com a possibilidade de ter um restaurante?
Augusto: Eu pensava em ter um bar, mas o restaurante surgiu como oportunidade.
Alysson: e o bar, ainda tá no pente?
Augusto: O bar tá aí, né? Antes do meu filho Gabriel nascer a ideia estava mais ativa, mas o neném dá trabalho pra caramba e então resolvemos deixar o neném crescer mais para então retomar os planos.
Alysson: Mano, e no dia-a-dia, o que não pode faltar na sua mesa?
Augusto: A carne, né? Sempre gostei de carne. Desde sempre, nas festas, sou eu quem toma conta da churrasqueira.
Alysson: E dessas carnes aí, o melhor sabor é o da…
Augusto: Alcatra! No churrasquinho, eu trabalhei um mês com o contrafilé, até descobrir o custo-benefício da alcatra.
Alysson: E qual é o melhor tempero?
Augusto: Sal. Sal e alho.
Alysson: Boa! E o acompanhamento que não pode faltar pra carninha?
Augusto: Um molho chimichurri astra… erva é sempre um bom acompanhamento.
Alysson: O que mata aquela fome fora de hora?
Augusto: Cara, eu sou meio afobado, então, o que for mais fácil. Uma banana cai bem.
Alysson: Que isso! E como equilibrar a vida pessoal com a profissional, principalmente agora que agregou nosso prezado Gabriel?
Augusto: Depois de um tempo, eu e a Lara fomos delegando funções para os funcionários e até recontratamos o antigo funcionário para ser o gerente, enquanto ela estava no resguardo pelo nascimento do neném. Agora estamos com uma equipe boa, e dá pra estarmos presentes apenas na hora que o pau tá quebrando… as funcionárias já sabem fazer a maioria dos pratos e eu só faço as carnes especiais – o “bafo da madrugada”. Aí é temperar, botar pra assar, voltar pra passar o papel alumínio…
Alysson: Você diria que a cozinha de seu restaurante tem algum estilo, apesar de ser bem brasileira? Vou melhorar a pergunta: de vez em quando aparecem pratos diferentes… o que eles representam?
Augusto: Minha proposta desde sempre foi buscar diversificar e inovar mesmo, porque a comida do dia-a-dia se torna enjoativa se for repetitiva. Então temos pratos mexicanos, japoneses, italianos, árabes, chineses, gosto muito da comida oriental.
Alysson: Seu restaurante tem um público específico? Falo isso porque o bairro tem muitos estudantes e idosos… vem gente de fora também?
Augusto: No começo os clientes eram os aposentados da usina e os estudantes. Com o tempo, funcionários da Usiminas começaram a frequentar aqui e se tornando clientes. Agora, com a administração da Fundação São Francisco Xavier descendo para cá, o movimento aumentou bem. O bairro hoje tem muitas clínicas, inclusive de DETRAN, e as pessoas procuram no Google onde almoçar…
Alysson: Agora, saindo um pouco do restaurante e voltando para o Augusto: o que te faz sorrir, cara?
Augusto: O que me faz sorrir é tomar uma cerveja com os amigos.
Alysson: Você chora?
Augusto: Difícil chorar. Um filme que me lembre a falta que meu pai me faz… o primeiro Dia dos Pais na escolinha do Gabriel foi um baque…
Alysson: Hobby?
Augusto: Tenho não. Beber cerveja e fazer churrasco são o que mais me distrai.
Alysson: Pra finalizar, podemos saber que tem um sonho guardado aí?
Augusto: Sim. Mais pra frente teremos um All Gustus Bar aí.
Alysson: Algum recado, xingar alguém, falar qualquer coisa?
Augusto: A única coisa: PAZ!

A receita do cozinheiro:

Almôndegas Suecas
Ingredientes almôndegas
1kg de pernil moído
1 pão dormido
1 cebola média picadinha
3 dentes de alho amassados
1 colher (sopa) rasa de sal
1 colher (sopa) rasa de páprica doce
1/2 colher (sopa) rasa de cominho em pó
Pimenta do reino moída na hora a gosto
Azeite
1/4 de xicara de leite
1 maço de salsinha picada

Ingredientes molho
2 caixas de creme de leite
2 doses de vodka
1 cebola média picadinha
6 colheres (sopa) de mostarda amarela
3 colheres (sopa) de molho inglês
Azeite

Modo de fazer
Almôndegas
Bata o pão dormido no liquidificador. Hidrate o pão no leite. Reserve. Refogue em fogo baixo a cebola picadinha num fio de azeite com uma pitada de sal até ficar molinha. Adicione o alho amassado e refogue por 1 minuto e reserve até esfriar.Junte os ingredientes secos, o pão espremido, o refogado de cebola e alho à carne. Juntar a salsinha. Misture bem. Faça bolinhas de mais ou menos 70 gramas. Doure as almôndegas em um fio de azeite. Reserve.

Molho
Na mesma panela, refogue a cebola em fogo baixo até murchar. Se precisar, adicione mais azeite. Flambe com a vodka. Adicione a mostarda, o creme de leite e o molho inglês. Misture bem. Adicione as almôndegas. Envolva as almôndegas até aquecê-las. Não deixe o molho ferver por muito tempo para não talhar.
É um prato bem versátil. Pode ser servido como tira gosto junto com um pãozinho ou como refeição, acompanhado de arroz branco e batata palha ou uma massa.
Bom apetite.

Compartilhe com um amigo

Facebook
WhatsApp
Email