EMPRESÁRIOS MINEIROS DIVIDIDOS QUANTO ÀS VENDAS DA PÁSCOA

Considerada a terceira data comemorativa mais rentável para o comércio no primeiro semestre (13,0%), a Páscoa irá impactar apenas 44,5% das empresas varejistas de gêneros alimentícios de Minas Gerais, 5,2 pontos percentuais (p.p) abaixo em comparação com o mesmo período do ano passado. Essa é uma constatação da pesquisa “Expectativa do Comércio Varejista – Páscoa 2021”, elaborada pela área de Estudos Econômicos da Fecomércio MG.

A cautela do segmento reflete o atual cenário da pandemia de Covid-19 em todo o estado, que impôs a restrição no funcionamento de milhares de negócios. Apesar disso, para 43,8% dos empresários, o otimismo/esperança e a percepção de melhora das vendas nos últimos meses (28,1%) são fatores que podem potenciar o faturamento no período. Apostando nesses fatores, 18,5% das empresas acreditam que os resultados serão superiores ao registrado em 2020.

Para atrair os consumidores, 45,7% dos empresários pretendem investir em promoções e liquidações e 20,8% irão apostar na divulgação. “O apelo emocional das datas comemorativas ajuda a sustentar a confiança nas vendas. Mesmo com o isolamento social, muitos consumidores devem dar presentes de Páscoa, como ovos de chocolate. Além disso, a data aquece o comércio de gêneros alimentícios, um dos setores autorizados a funcionar, desde que siga os protocolos contra o Covid-19”, explica a analista de pesquisa da Federação, Carolina Barcelos.

Superando a desconfiança

Por outro lado, 54,3% dos empresários afirmaram que as vendas serão piores em comparação ao ano passado, devido à crise econômica (44,7%), à pandemia do novo coronavírus (43,6%) e à falta de dinheiro/desemprego (35,1%). Em virtude disso, 54% dos empresários esperam que o consumidor gaste, em média, até R$50,00 com produtos relacionados à Páscoa.

Com a renda das famílias afetada pela crise causada pelo novo coronavírus, a analista de pesquisa pontua que os empresários podem apostar em diferenciais para potencializar as vendas do período. “Com boa parte do comércio fechado, uma alternativa é apostar na força das redes sociais e nos canais de atendimento para alavancar as vendas. Além disso, o delivery e a retirada de produtos no balcão seguem como soluções permitidas pelo governo”, ressalta Carolina.

O levantamento também apontou que 93% dos entrevistados acreditam que o consumidor fará busca de preços durante as compras. Já a forma de pagamento mais esperada pelos empresários é o cartão de crédito (53,8%), em uma única parcela. Essa opção cresceu 17,3 p.p. em relação ao mesmo período, um reflexo das mudanças no consumo causada pela pandemia.

A pesquisa “Expectativas do Comércio Varejista – Páscoa 2021” foi realizada com 389 empresas espalhadas pelas dez regiões de planejamento do estado (Alto Paranaíba, Central, Centro-Oeste, Jequitinhonha-Mucuri, Noroeste, Norte, Rio Doce, Sul de Minas, Triângulo e Zona da Mata). A escolha visa tornar a análise mais abrangente e completa. A margem de erro da pesquisa, realizada entre 1° e 10 de março, é de 5 pontos percentuais, com intervalo de confiança de 95%.

Compartilhe com um amigo

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Agenda de convergencia
Cenibra
Sindcomércio Vale do Aço
AAPi
WR
Unimed
Usiminas
Cenibra 02
Usisaude 2
Usisaude 1
Usisaude 3