VISTA-ALTO-FORNO-2---ELVIRA-N.---6-

APERAM SUSPENDE PROJETOS DE INVESTIMENTOS

Em vista do momento de adversidade enfrentado pela indústria siderúrgica brasileira, com o excesso de aço importado no mercado e a queda nas vendas, a Aperam South America informa que decidiu postergar a terceira fase de seu plano de investimentos previsto para 2024/2025, um investimento extremamente alto.

Essa nova etapa estava planejada como continuação dos investimentos iniciados em 2021 e que estão atualmente em execução. O projeto que será adiado inclui a instalação de um novo laminador a frio de bobinas de alta produtividade com um nível de automação nunca antes visto.

Com o investimento, o objetivo das operações brasileiras da Aperam — a primeira siderúrgica no mundo em produtos siderúrgicos planos especiais a obter um balanço de carbono neutro nos escopos 1 e 2 — é se consolidar como uma referência global na indústria siderúrgica 4.0, e está totalmente preparada para atender às demandas para produção de aços mais complexos, assim sendo fundamental para a transição de energia e eletrificação do setor automotivo.

Durante a implementação do projeto, até 1500 vagas temporárias seriam geradas.

“Como uma empresa que sempre acreditou no Brasil e no crescimento da economia, nos deparamos com um cenário muito desafiador que nos leva a repensar nossos planos de expansão para os próximos anos. Devido a uma questão de sustentabilidade do negócio, vamos reavaliar esse projeto”, afirma o Diretor-Presidente da Aperam South America, Frederico Ayres Lima.

Ayres Lima acredita que a entrada massiva de aço chinês no mercado brasileiro em 2023 associada à redução da demanda devido à desaceleração econômica mundial está asfixiando o setor siderúrgico nacional. De acordo com dados divulgados pelo Instituto Aço Brasil, somente em setembro deste ano, as importações de aço da China cresceram 133,8% em relação ao mesmo mês de 2022, atingindo, assim, 549 mil toneladas.

Em específico no caso dos aços inoxidáveis e elétricos, que são o carro-chefe da Aperam, as importações cresceram 18% no primeiro semestre do ano em relação ao 1º semestre do ano anterior. No entanto, o número excessivo de produtos chineses no mercado, a política predatória de preços e a demanda reduzida representaram uma queda de mais de US$ 800 por tonelada nos preços internacionais, comprometendo seriamente os projetos de longo prazo da empresa. O problema não é novo, já que as importações de aço inoxidável nos últimos quatro anos cresceram 128%.

“Justificar novos investimentos na usina, mesmo com todo o diferencial da produção sustentável da Aperam, está se tornando cada vez mais desafiador. Os números não batem,” disse o Diretor-Presidente da Aperam South America e BioEnergia. O executivo acrescenta que o aço chinês chega ao Brasil subsidiado pelo governo do país asiático e com a maior pegada de carbono do mundo, o que prejudica muito não só a competitividade da indústria siderúrgica nacional, bem como o processo de descarbonização do setor.

“Na Aperam, produzimos aço com baixos níveis de emissões de CO2. Plantamos florestas no Vale do Jequitinhonha que removeram aproximadamente 700.000 toneladas de CO2 da atmosfera por ano, além de nos permitir usar carvão vegetal renovável como um redutor na usina siderúrgica, em vez de coque, um combustível fóssil extraído da natureza. Paralisar nossos investimentos é um grande retrocesso para o Brasil.”

Vale a pena reforçar a importância do aço de alto desempenho que a Aperam South America produz para o Brasil e para o futuro de nosso planeta. Ao mesmo tempo em que o aço elétrico é essencial para a transição de energia, o aço inoxidável atende aos requisitos dos três pilares da economia circular – durabilidade, reciclabilidade e sustentabilidade.

O Diretor-Presidente da Aperam South America classifica a situação como “muito séria e insustentável”, portanto, é uma grande ameaça à continuidade da produção nacional. Ele lembra que países como EUA, México, membros da União Europeia — e, possivelmente, o Chile agora — adotaram medidas para combater o comércio desleal chinês que “claramente causa um desvio de volumes de material para países como o Brasil.”

“Para lidar com tal situação, é imperativo que o Brasil adote a mesma medida que os países supracitados imediatamente. Ou seja, uma taxa de importação de 25%. Se isso não for feito imediatamente, a indústria siderúrgica não voltará a funcionar sustentavelmente, e medidas amargas que estão sendo tomadas, como a redução de produção, demissões, adiamento ou cancelamento de investimentos irão continuar,” disse Ayres Lima.

Ele salienta que a Aperam é altamente favorável ao livre mercado internacional, mas a agressividade chinesa que, por sua vez, ignora as regras da Organização Mundial do Comércio, tem minado a possibilidade da participação em mercados ao redor do globo como resultado da adoção de medidas protetivas, como a Seção 232 dos EUA, que estabelece um freio no volume de produtos que o Brasil pode exportar.

“Isto torna ainda mais importante que o Governo Federal adote medidas urgentes para salvaguardar toda uma indústria comprometida com o país, com investimentos previstos de R$ 63 bilhões, segundo o Instituto Aço Brasil, para os próximos quatro anos”, afirma o Diretor-Presidente da Aperam South America.

Sobre a Aperam

A Aperam é um líder global no segmento de aços inoxidáveis, elétricos e especiais, bem como no segmento de reciclagem com clientes em aproximadamente 40 países. O negócio é organizado em quatro segmentos primários reportáveis: Aço Inoxidável e Elétrico, Serviços e Soluções, Ligas e Especialidades e Reciclagem e Renováveis.

A Aperam tem uma capacidade de produção de 2,5 milhões de toneladas de produtos siderúrgicos planos inoxidáveis e elétricos no Brasil e na Europa, além de ser líder em produtos especiais de alto valor. Além de sua rede industrial, distribuída em seis unidades de produção no Brasil, Bélgica e França, a Aperam possui uma rede de distribuição, processamento e serviços altamente integrada e uma capacidade única de produzir aços inoxidáveis e especiais com baixa pegada de carbono a partir de biomassa, sucata de aço inoxidável e sucata de ligas de alto desempenho.

A usina brasileira está localizada em Timóteo (MG), no Vale do Aço, e tem capacidade para produzir cerca de 900 mil toneladas por ano.

Com a Aperam BioEnergia e sua capacidade ímpar de produção de carvão vegetal feito a partir de sua própria floresta certificada pelo FSC® e com nossas atividades de reciclagem (ampliadas com a aquisição da ELG em 2021, líder global na coleta), a comercialização, processamento e reciclagem de sucata de aço inoxidável e ligas de alto desempenho, a Aperam coloca a sustentabilidade no centro de seus negócios, ajudando clientes em todo o mundo a se destacarem na economia cultural.

Graças ao sequestro de carbono florestal da Aperam BioEnergia, as operações brasileiras da Aperam obtiveram um balanço líquido negativo de GEEs (escopos 1 e 2) em 2022. No último ano, a Aperam registrou vendas de 8.156 milhões de euros e o envio de 2,31 milhões de toneladas de aço.

Para mais informações, por favor, acesse nosso site em www.aperam.com.

Compartilhe com um amigo

Facebook
WhatsApp
Email