21

A CONTROVERSA BALACLAVA VOLTA AO STREET STYLE. O QUE É ISSO?

O acessório de cabeça é um dos destaques do street style da Semana de Moda de Nova York e, desde o ano passado, vem despertando o interesse de fashionistas e grandes marcas. Somados ao hype, não faltam críticas sobre xenofobia e privilégio racial.

Já ouviu falar na balaclava? Acessórios de cabeça, em geral, são parte essencial de looks de toda fashionista e acompanham as trends de moda: chapéus, óculos de sol diferentões e brincos cheios de personalidade, essa peça com nome mais exótico vem ganhando destaque e gerando debate no cenário internacional de moda.

UMA DICA MINHA: É PERFEITO PARA SEGURAR O FRIO DO INVERNO NO HEMISFÉRIO NORTE BEM LONGE DA CABEÇA, DO ROSTO E DO PESCOÇO.

O QUE É A BALACLAVA?

A balaclava é uma espécie de gorro que chega ao pescoço e queixo – os modelos mais ousados podem deixar só os olhos de fora, quase como uma touca-ninja. Historicamente, elas estão associadas ao uso militar: levam o nome de uma cidade ucraniana que foi cenário de uma batalha da Guerra da Crimeia.

Anos depois, o gorro foi muito usado por manifestantes separatistas pró-Rússia no Leste Europeu e caíram no imaginário popular como relacionados a um comportamento ameaçador. A peça foi ressignificada nas últimas temporadas, tornando-se mais usual no cenário da pandemia, com o rosto mais protegido, e desde então, compõe uma estética chamada de pós-soviética.

A balaclava, por exemplo, virou queridinha de artistas como Billie Eillish e Justin Bieber e apareceu nas passarelas de marcas como Givenchy, Miu Miu e Moschino. Na Semana de Moda de Nova York, surgiu em diferentes combinações no street style, bem como em Copenhagen, capital dinamarquesa que situou a Fashion Week anterior.

ENTENDA DEBATE SOBRE PRECONCEITO QUE CERCA O ACESSÓRIO!

No entanto, para além da estética diferenciada, o acessório também gerou um debate sobre privilégios raciais e religiosos nas redes sociais. Diferentes ativistas e pessoas envolvidas no movimento negro apontam que o uso dela por pessoas negras ainda pode gerar episódios de racismo. “Balaclava é uma coisa que na rua só branco pode usar”, pontuou, por exemplo, o apresentador e ex-BBB João Luiz Pedrosa.

Outro ponto relacionado à bavaclava que tem movimentado às redes são as comparações entre ela e o hijab, veste usada por mulheres muçulmanas. Praticante do islamismo, a tiktoker Tayah o ponto central dessa problemática é o uso recorrente da balaclava como algo cool e o questionamento do hijab como um “processo torturante, que todas odeiam e que elas fazem por Deus”.

Enfim, o acessório foi bastante associado ao militarismo e ao anarquismo e até ao crime organizado, sofrendo com o racismo estrutural e recebendo uma série de estereótipos racistas, que foram (e ainda estão sendo) lentamente desconstruídos a partir do trabalho intenso de artistas como Beyoncé e Kanye West, que buscam ressignificar o acessório.

 

Compartilhe com um amigo

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Agenda de convergencia
Cenibra
Sindcomércio Vale do Aço
Cenibra 3
AAPi
WR
Unimed
Usiminas
Cenibra 02
Usisaude 2
Usisaude 1
Usisaude 3
Cenibra 105 mil
Agasalho 2022