USIMINAS AUMENTA NOTA DE RISCO

A Moody’s, agência internacional de classificação de riscos, acaba de elevar a nota de rating da Usiminas. Isso significa que a percepção do mercado em relação à credibilidade da Usiminas melhorou.
Segundo a agência, a reclassificação da nota expressa a posição sólida da Usiminas no mercado brasileiro de aços planos, além das medidas adotadas pela gestão da companhia para adequar as operações à fraca demanda no mercado interno. Desde janeiro de 2016, por exemplo, a empresa adotou um novo modelo de negócios na Usina de Cubatão. As áreas primárias de produção da unidade foram temporariamente paralisadas e as laminações passaram a ser abastaecidas por placas de aço compradas no mercado.
“O equilíbrio da capacidade produtiva da Usiminas à realidade do mercado permitiu redução significativa de custos, simplificação de estrutura, melhoria de margens e resultados. Passamos a operar em outro nível de competitividade, com maior produtividade. Os resultados de todas as ações são agora mais visíveis. Podemos citar o lucro operacional no 4º trimestre, o melhor dos últimos 11 trimestres”, ressalta Rômel de Souza, presidente da Usiminas.
O relatório da Moody’s destaca ainda a conclusão de importantes passos para a reestruturação total da dívida da Usiminas, incluindo o aumento de capital de R$ 1 bilhão, concluído em julho de 2016, a renegociação com bancos, concluída em setembro de 2016, e, mais recentemente, a redução de capital de R$ 1 bilhão, aprovada pela Mineração Usiminas. “Todos esses eventos contribuem para a redução das pressões de liquidez no curto prazo e permitem que a companhia se concentre mais em suas operações”, afirma a agência.
O termo rating é utilizado para designar a classificação de uma empresa ou instituição (ou até mesmo país) em termos de risco de crédito. A avaliação leva em conta a situação econômica e financeira, a capacidade e perspectivas de gerar resultados, além do risco de crédito medido pela sua capacidade de honrar o serviço com as dívidas.
Reputação
Outra sinalização do mercado para a Usiminas também acaba de ser divulgada. A consultoria espanhola Merco, referência mundial em monitoramento de imagem, publicou o ranking das 100 empresas atuantes no Brasil com melhor reputação em 2016. Foram ouvidos cerca de 2 000 executivos, especialistas (como analistas financeiros) e consumidores. A pesquisa foi auditada pela KPMG. A Usiminas foi uma das três siderúrgicas citadas e, ao pular da 88ª posição na pesquisa anterior (2014) para a 83ª posição, foi a única a melhorar sua colocação. No topo da lista, a Natura foi considerada a empresa mais bem reputada do Brasil. Seguindo a mesma tendência, outra entidade com reconhecimento internacional, o Reputation Institute também apontou uma melhoria na reputação da empresa. A nota da Usiminas saltou de 59,2 pontos em 2015 para 64,7 pontos em 2016. Foram entrevistadas 8 mil pessoas.