UMA TRETA DE BILHÕES

O Museu do Louvre da capital francesa organiza em 2019 uma grande retrospectiva de Leonardo da Vinci e deseja expor a obra Salvatore Mundi. Considerada a pintura mais cara do mundo, a tela  atribuída ao italiano Leonardo da Vinci, foi vendida em um leilão, em 2017, por US$ 450 milhões a um príncipe saudita. Desde então, seu paradeiro se transformou num mistério, e ninguém sabe dizer quando a obra poderá ser novamente vista pelo público. O Museu do Louvre, em Paris, prepara uma exposição sobre o pintor e requisitou o empréstimo da tela. Segundo o jornal britânico The Guardian, uma porta-voz do museu francês confirmou que foi feito o pedido, mas que a resposta ainda não havia chegado.

“O Louvre solicitou ao Ministério da Cultura e do Turismo de Abu Dhabi o empréstimo do quadro”, confirmou o museu à AFP. “Mas ainda não obtivemos resposta”, afirmou. Não há informações oficiais sobre quem comprou a obra. Segundo o Wall Street Journal, o comprador seria o príncipe saudita Badr bin Abdallah, que teria atuado em nome do poderoso príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohamed bin Salman (MBS), que nunca confirmou nem desmentiu essa informação.

Veja mais em https://entretenimento.uol.com.br/noticias/redacao/2019/10/14/pintura-mais-cara-do-mundo-obra-de-da-vinci-pode-nao-ser-exibida-no-louvre.htm?cmpid=copiaecola