TUDO SE TRANSFORMA

Um grupo de pesquisadores do curso de Engenharia Civil do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais (Unileste) está empenhado na realização de uma investigação científica intitulada “A manufatura de materiais de construção civil a partir de resíduos sólidos industriais”. O projeto, fomentado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), tem como objetivo principal o reaproveitamento de resíduos sólidos industriais na fabricação de materiais destinados à construção civil. A pesquisa, iniciada em março de 2016, deve ser concluída em fevereiro de 2017.

Segundo Fabrício Moura Dias, coordenador do curso de Engenharia Civil do Unileste e coordenador da pesquisa, outro objetivo importante da investigação é o estudo de uma destinação adequada aos rejeitos do processo de mineração, que vazaram da barragem de Mariana para o Rio Doce, em Minas Gerais.

“A investigação se propõe a estimular estudos que visem à recuperação do Rio Doce. Para que isto ocorra é preciso estabelecer um destino a essa lama, seja em uma deposição novamente em barragens ou atribuindo um valor a esta como matéria-prima alternativa”, explica.

Fabrício conta que uma das hipóteses da investigação é o reaproveitamento da lama na produção de tijolos ecológicos. “Estamos investigando a resistência à compressão de tijolos manufaturados com rejeito do processo de mineração; analisando as características físicas de tijolos produzidos com essa lama e, após esses estudos, iniciaremos a produção para posterior avaliação da qualidade e eficiência do processo”, explica.

Etapas da pesquisa
O docente ressalta que a investigação passa por diversas etapas tais como: revisão bibliográfica; obtenção de matéria-prima, rejeitos e objetos deste estudo; manufatura de materiais de construção civil para caracterização do resíduo, entre eles, o tijolo ecológico; realização de ensaios de resistência mecânica dos tijolos, e por fim a análise de resultados.

Atualmente a pesquisa está na fase de coleta dos resíduos e em breve terá início a produção dos primeiros tijolos. De acordo com o cronograma, o relatório final deve ser apresentado em fevereiro de 2017. Participam da investigação os professores: Fabricio Moura Dias, Felipe Gustavo Ferreira Fernandes, Felipe de Brito Freitas e Edson Carlos de Araújo, além dos universitários, Dannilo Júnior Guimarães Barbosa, Matheus Januário de Sousa, Rodrigo de Paiva Amaral, Ana Maria Takayanagi, Thaís Maria A. Ferreira, André Valentim Silva, Eduardo de Castro Alvarenga, Gustavo Henrique Silva Paiva e Taynara Gonçalves Nonato.