SOBRE A REINTEGRAÇÃO DE POSSE EM IPABA

Na manhã desta quarta-feira, a Cenibra convocou a imprensa regional para uma entrevista coletiva no Hotel San Diego, em Ipatinga. Em pauta, a reintegração de posse por parte da empresa, no município de Ipaba, acontecida na terça-feira, 16 de abril. Foram 120 famílias a deixar o local, mas a maioria dos imóveis já se encontrava vazio.

Dos 20 mil hectares que a Cenibra possui no entorno do município, adquiridos em 2001, 51% destinam-se ao plantio de eucaliptos, 40% são de reserva e preservação ambiental e 9% de infra-estrutura.

Em 2005, a prefeitura de Ipaba recebeu doação de 4,6 hectares para instalação de usina de compostagem e aterro sanitário, mas a obra não foi construída. A área ficou à disposição da prefeitura.

Ao longo de todos esses anos, a Cenibra tem tido um canal aberto com o município, doando parte do terreno para instalação de estruturas sociais, Distrito Industrial, etc.

Em 2013 assumiu a prefeitura Edimarques Teixeira, o Marquinhos, e a instabilidade da ordem juntou-se ao distanciamento dos empresários, e ocorreu invasão individual em 1,5 hectares,envolvendo área de Reserva Legal/Preservação Permanente. Daí em diante, outras invasões aconteceram, tanto nas áreas da Cenibra quanto nas da AEMVA – associação ligada a empreendimentos industriais – e Construtora Terraço, empreendimento que havia adquirido terras da Cenibra para implantação de projeto do Minha Casa Minha Vida, mas que desistiu do projeto pelos conflitos sociais locais. Na área invadida (na foto de capa deste post) não há água, luz, esgoto as ruas são sem calçamento e, em época de chuva, grande parte fica alagada. Muitos dos invasores moram fora do local, e existem os que são funcionários de grandes empresas na região.

Em comunicado, a Cenibra afirma que, “na condição de proprietária legal, irá acatar as decisões judiciais no que tange às edificações presentes em suá área, ateu que o processo esteja transitado e julgado. E se empenha em analisar as demandas apresentadas pelo Poder Público no intuito de formar parcerias que beneficiem a sociedade e reitera seu compromisso com toda e qualquer forma de manifestação e reivindicação da sociedade civil, desde que seja pacífica, organizada e responsável.”