síndrome de burnout

SÍNDROME DE BURNOUT, UM NOME PRA QUEM QUER SER 100%

“Acorde cedo / tome um banho gelado / leia três livros / crie ideias / inicie seu lado empreendedor / invista em você mesmo / faça 50 minutos de exercícios diários / coma comidas saudáveis / pratique a gratidão / seja feliz. Esse é o “protocolo do próximo nível”. Já parou para pensar se essas mensagens “positivas” ajudam ou atrapalham o nosso “desenvolvimento pessoal”? Elas estão levando muitas pessoas a níveis extremos de ansiedade e fazendo com que se sintam cada vez mais culpadas por estarem sentindo-se mal. Mas de onde será que vem esse cansaço, essa desmotivação? Seria culpa só da pandemia?” (Jorge Carvalhaes, no @carvalhando)

Não. Um desgaste que prejudica os aspectos físicos e emocionais da pessoa, levando a um esgotamento profissional, já tem nome: Síndrome de Bournout.

Segundo informações do https://blog.psicologiaviva.com.br , o distúrbio foi mencionado na literatura médica pela primeira vez em 1974, pelo psicólogo norte-americano Freudenberger que descreveu os sintomas que ele e seus colegas estavam enfrentando. Após essa menção, vários estudos foram realizados sobre o assunto.

Hoje em dia, o transtorno é facilmente encontrado na CID-10 (Classificação Estatística e Internacional de Doença e Problemas Relacionados à Saúde), mais precisamente no grupo 5. Ele atinge pessoas cuja vida profissional e pessoal são muito atribuladas. Em especial as que levam jornadas duplas.

Segundo pesquisas realizadas pela Isma-BR (International Stress Management Association no Brasil), essa síndrome acomete cerca de 33 milhões de brasileiros.

É muito comum que os workaholics (pessoas viciadas em trabalho) sofram desse distúrbio. Porém, alguns profissionais são mais pré-dispostos a experimentarem a questão, justamente pelas características do trabalho.

Confira abaixo as profissões mais acometidas pelo burnout:

  • profissionais da saúde em geral, principalmente médicos e enfermeiros;
  • jornalistas;
  • advogados;
  • professores;
  • psicólogos;
  • policiais;
  • bombeiros;
  • carcereiros;
  • oficiais de Justiça;
  • assistentes sociais;
  • atendentes de telemarketing;
  • bancários;
  • executivos.

Esses profissionais acabam se esforçando muito com o trabalho e, várias vezes, se esquecem dos momentos de descontração e relaxamento. É como se a mente dessas pessoas estivesse alerta o tempo todo, fazendo com que se sintam exaustas.

Muitas vezes, o Burnout também está ligado ao fato das pessoas trabalharem em empregos que exigem bastante delas, isso faz com que se tornem exageradamente perfeccionistas.

A cobrança exacerbada de si mesmo, e pelos superiores, acaba impactando de forma negativa na vida pessoal e profissional.

No caso das mulheres, vale a pena ressaltar que a maioria delas acaba sendo afetada em decorrência de uma jornada dupla de trabalho: no emprego, propriamente dito, e nas demais tarefas de casa – as responsabilidades de mãe, esposa, estudante etc.

O distúrbio se manifesta quando a relação com o trabalho acaba se transformando em estresse, ansiedade e nervosismo intensos. A pessoa acaba sendo levada ao seu limite, físico e/ou emocional, sentindo-se extremamente cansada, desmotivada e esgotada.

Não é difícil encontrar pessoas que, junto com o Distúrbio de Burnout, sofram também de depressão, do uso excessivo de medicamentos e insônia. Porém, tudo isso pode ser contornado ou amenizado com tratamento.

É importante ressaltar que a doença não está somente relacionada com o ambiente de trabalho, muitas vezes as tarefas da faculdade ou até mesmo de casa podem ocasionar o problema.

O fato é que o Burnout está relacionado com o excessivo esforço físico, mental ou emocional, seguido de poucos momentos de descanso ou descontração. Tudo que ocupa muito o seu tempo e acaba sugando a sua energia pode ser motivo para que o Burnout apareça.

Além disso, outro estudo mostrou que as pessoas que são muito empáticas são mais suscetíveis ao desenvolvimento da Síndrome de Burnout. Isso porque elas absorvem toda a carga emocional de terceiros para si, o que é uma prática ruim. A dor do outro acaba fazendo com que elas se preocupem excessivamente e sobrecarreguem o seu emocional.

Segundo a psiquiatra Licia Oliveira, professora da Medcel – Cursos Preparatórios Para Residência Médica, “a doença ocorre em um conjunto de personalidade (genética) e condições ambientais (fatores externos). Obviamente, uma pessoa com personalidade mais rígida, que não tolera frustrações, está mais propensa a desenvolver o Burnout”.

Existem meios de prevenir e de tratar o Burnout. A prevenção se dá por meio de práticas simples e até mesmo prazerosas, que acabam não exigindo tanto, como prática de exercícios físicos, alimentação adequada, momentos de lazer, menos cobrança e reorganização, entre outros.

Fontes: https://blog.psicologiaviva.com.br/

https://carvalhando.substack.com/

Instagram @carvalhando

Compartilhe com um amigo

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Agenda de convergencia
Cenibra
Sindcomércio Vale do Aço
AAPi
WR
Unimed
Usiminas
Cenibra 02
Usisaude 2
Usisaude 1
Usisaude 3