OUTUBRO ROSA: DA CHIQUE! DE SETEMBRO DE 2016 PARA HOJE

Esta matéria foi publicada na revista CHIQUE! de setembro de 2016 mas continua muito atual. Por isso eu republico aqui, de mãos dadas com a solidariedade que abraça o sofrimento de tantas mulheres, pegas de surpresa em sua rotina de vida.

PODE ACONTECER COM QUALQUER UMA

O movimento conhecido como Outubro Rosa nasceu nos Estados Unidos, na década de 1990, para estimular a participação da população no controle do câncer de mama. A data é celebrada anualmente com o objetivo de compartilhar informações sobre o câncer de mama e promover a conscientização sobre a importância da detecção precoce da doença. Desde 2010, o INCA participa do movimento, promovendo espaços de discussão sobre câncer de mama, divulgando e disponibilizando seus materiais informativos, tanto para profissionais de saúde quanto para a sociedade.

No Vale do Aço, prefeituras e os Conselhos da Mulher Empreendedora das Associações Comerciais e Industriais de Timóteo, Coronel Fabriciano e Ipatinga encetam ações visando alertar e difundir o OUTUBRO ROSA. O Movimento tem grande alcance de mobilização e é considerado o maior MOVIMENTO SOCIAL da sociedade civil do mundo, no que se refere à luta pela saúde das MULHERES e em especial o combate ao câncer de mama.

“Com o objetivo de, através de testemunhos, dar ainda mais visibilidade à luta contra o câncer de mama, fortalecendo a importância do diagnóstico precoce e lutando por acesso de qualidade em tempo hábil e eficiente ao tratamento, no ano passado inserimos na nossa programação a Exposição Fotográfica “SUPEROSAS: Superando o Câncer de Mama”, uma exposição de fotos e histórias de mulheres e as suas lutas contra o câncer de mama”, informou a então presidente do CMEI, Fátima Salles Fonseca.

Neste 2016, foram 16 “Superosas” fotografadas pelos profissionais do Studio Valeria Matos com maquiagem do Studio R Salão de Beleza do Rodrigo Ferreira e a montagem da exposição feito pela BRASART (a exposição ficou em cartaz no Shopping Vale do Aço e de lá foi para o saguão do Hospital Márcio Cunha.

O cenário escolhido foi o Parque Ipanema e as  modelos escolhidas representam as mulheres de Ipatinga, Coronel Fabriciano, Santana do Paraiso , Timóteo e Caratinga. São bravas mulheres com idade de 28 a 86  anos e uma bela história de luta, superação e muita fé. ”Esse ano, percebemos através da seleção das Superosas mais casos em mulheres mais jovens, com menos de 35 anos, o que nos leva a alertar que, o quanto antes a mulher realizar o exame, melhor, principalmente se tem histórico familiar”, pontuou Fátima.

Trabalhar com a autoestima e a autoconfiança dessas guerreiras foi uma escolha acertiva para motivar outras mulheres a se olharem e se cuidarem. Os testemunhos das mulheres também ajudam a mostrar pra quem já enfrenta a doença ou tem alguma pessoa próxima que tem câncer  que é possível superar e ser muito feliz, além de linda!

“O objetivo é expandir o alcance para maior  conscientização da população sobre o movimento do Outubro Rosa através dessas ações e aumentar o número de solicitações de mamografias e exames que diagnosticam precocemente o câncer de mama para termos mais chance de mulheres curadas” conclui Fatima.

 

DERMO-PIGMENTAÇÃO DE ARÉOLA: VIDA NOVA DEPOIS DA RECONSTRUÇÃO NAS MAMAS

A técnica resgata a auto-estima de mulheres que venceram o câncer de mama.

Mais do que um procedimento estético, a técnica  de dermo-pigmentação é uma grande aliada da medicina. Chamada de dermopigmentação paramédica, é capaz de camuflar e tratar marcas de cicatrizes cirúrgicas ou de acidente e alopecia. A aplicação mais famosa é a de restauração da aréola mamária. Embora existam diversos métodos estéticos que reconstroem a mama, muitos cirurgiões indicam o procedimento, por ser mais eficaz e por oferecer menos traumas à paciente.

Essa é a proposta da especialista Suelem Silva, que utiliza a técnica da dermo-pigmentação paramédica para refazer o complexo mamário das pacientes de câncer de mama que precisaram reconstruir os seios após o tratamento da doença. Do ponto de vista oncológico, é cada vez mais aceita a técnica da reconstrução mamária. “A mama é o caráter sexual secundário mais importante na mulher e símbolo de feminilidade. A técnica tem por objetivo melhorar a qualidade de vida das mulheres submetidas a um tratamento cirúrgico que tenha deixado sequelas funcionais. A finalidade não é somente restituir a integridade corporal, mas também recompor a autoestima dessas mulheres”, conclui Suelem.

Segundo especialista Suelem Silva o procedimento é rápido e indolor. Mesmo havendo pouca sensibilidade na região, é aplicado um anestésico local sobre a pele, para inibir qualquer desconforto.

Para Suelem silva e extremamente gratificante esse trabalho que contribui para o aumento da auto-estima dessas mulheres.