GESTÃO RESPONSÁVEL: A ARTE DE AJUDAR O PRÓXIMO

No dia 28 de agosto é celebrado o Dia Nacional do Voluntariado. A Aperam, parabeniza e reconhece o valor da ação de todos que exercem sua cidadania e espírito de solidariedade em prol de um mundo melhor. Desde abril deste ano, o Programa Aperam Bem Maior permeia diversas frentes em busca de alternativas para que o impacto da pandemia seja menor para a comunidade onde atua, proporcionando aos empregados da Aperam, e pessoas da comunidade, a oportunidade de envolvimento em atividades voluntárias no enfrentamento contra o coronavírus. Tudo começou com o Programa Voluntariado Aperam que há vinte anos desenvolve através da Fundação Aperam Acesita ações com a atuação solidária de pessoas que se dispõem a ajudar o próximo.

O projeto Aperam Bem Maior conta com mais de 200 voluntários, abrangendo as regiões de atuação da Aperam (Vale do Aço e Vale do Jequitinhonha). Com esse trabalho, mais de 29 mil máscaras e capotes foram confeccionados por voluntários que formaram uma grande teia em prol da comunidade.

Com isso, histórias vão sendo encenadas por diversos protagonistas. Entre tantos, está Célia Regina Pereira, que trabalha com aluguéis de roupas para festas. Como muitos, ela também traçava planos para 2020, mas teve suas expectativas adiadas devido a pandemia. “Tivemos todos os nossos agendamentos, casamentos, aniversários, tudo cancelado. Encontramos em estado de torpor, que me deixou dias sem saber por onde, como e o que fazer”, conta Célia.

Após uma busca incessante de como se adequar ao cenário, Célia encontrou no projeto Aperam Bem Maior uma forma de contribuir com a sociedade usando a sua habilidade para a costura. “Nossa alegria de poder contribuir com tempo, maquinário, espaço, todos esses dias, nos mantendo em atividade, cada instante em algo melhor e maior. Ajudar, ser útil, e saber que estamos de alguma forma levando esperança de dias melhores para todos, é algo que nos anima e nos faz fazer tudo com alegria”, destaca a voluntária.

“E devagar a um passo por vez vamos nos reinventando. Fazer este trabalho de voluntariado nos fortalece. Ninguém é melhor ou menos agraciado por Deus. Estamos todos diante de algo a qual não temos controle. Para nós, é um prazer imenso doar nossas habilidades, nosso tempo, e nosso espaço. Vidas foram preservadas. Agradecemos à Fundação Aperam, por nos haver confiado tão importante tarefa. E nos sentimos honradas com o nosso dever de estarmos prontas para servir, cumprido”, conclui.

Servir a quem mais precisa

Outro personagem que partilha da história do trabalho voluntário no Projeto Aperam Bem Maior é o Gestor de Contrato da Aperam, Carlos Mafra. Após 33 anos de empresa, Carlos ainda se envolve nas ações de voluntariado. “Eu sempre gostei de trabalhar com o voluntariado, o pouco de tempo que tenho disponível, que são aos finais de semana, procuro me dedicar ao próximo. Isso vem de família, eu e meus irmãos temos essa característica de querer ajudar quem mais precisa”, relata Carlos.

No Projeto Aperam Bem Maior, Carlos envolveu seus pais para o trabalho voluntário na confecção de máscaras e capotes. “Nós colaboramos cortando os materiais, fazendo os moldes, enquanto a minha mãe confecciona. Já perdemos a conta de quantos itens produzimos”, discorre o voluntário.

No Vale do Jequitinhonha a educadora social, Rayula Macedo e sua mãe, dona Sebastiana Macedo, se empenharam em participar do projeto e chamar mais mulheres para cooperar também. “Ficamos sabendo da ação e logo nos prontificamos a contribuir com a mão de obra. Foi gratificante poder ajudar as pessoas da nossa comunidade a se prevenir. Fizemos aproximadamente 400 máscaras e conseguimos doar uma para cada morador da Comunidade Quilombola de Bem Posta em Minas Novas, disponibilizamos uma quantidade para o posto de saúde da região e doamos também para o distrito vizinho Lagoa Grande”, conta.

Sobre o Aperam Bem Maior

Criado pela Aperam, juntamente com a Fundação Aperam Acesita, o projeto atua em frentes distintas, contribuindo com a mobilização de recursos para ajudar as comunidades em seu entorno no enfrentamento da pandemia coronavírus. Ações voluntárias, geração e disponibilização de conteúdo cultural para o público, educação e outras ações internas que motivam a solidariedade.

Os esforços são direcionados ao atendimento de instituições de saúde, sociais, e até mesmo aos empregados da empresa e seus familiares. O objetivo dessa iniciativa é manter, regionalmente, a corrente do bem, buscando formas para amenizar os impactos gerados pelo coronavírus (Covid-19), estimulando internamente os empregados a se envolver com a causa, assim como outros membros da comunidade a também contribuir com aquilo que estiver ao seu alcance.