DIA DA ÁRVORE

CHORO PELAS QUE SÃO CORTADAS, deixando órfãos os que nelas confiaram para plantar seus ninhos. Choro pelas que são queimadas, à revelia, sem que ninguém consiga chegar a tempo de um balde de água. Choro pelas que, lindas, enfeitam e povoam de cantoria lotes que se transformarão em construções, e delas farão lixo em pedaços.

Vibro com as sombras que me abrigam de toda a maldade alheia, ainda que por instantes, e pelos troncos que abraço e deles ganho energias renovadas.

Mãe-Terra de frondosas árvores, rogai por nós!