DESENVOLVIMENTO DE VACINA CONTRA COVID-19: FIEMG SE UNE A EMPRESAS

Diante da necessidade de estimular o desenvolvimento de pesquisas que buscam uma vacina para proteger a população contra a Covid-19, a Federação das Indústrias de Minas Gerais (FIEMG) abraça a causa e se une a empresas brasileiras que vão contribuir para o desenvolvimento da imunização que ganhou o nome de UB-612. Elaborada pela Covaxx, uma unidade da United Biomedical, empresa internacional com unidades nos EUA, China e Taiwan, a vacina terá estudos clínicos no Brasil, conduzidos pelo laboratório Diagnósticos da América (Dasa). A previsão é que o protocolo de testes seja submetido à Anvisa em dezembro.

“Estamos em um momento da história em que não podemos ficar esperando que as soluções venham apenas do poder público. Os empresários, em um grande movimento de fraternidade e compreensão do seu papel social, estão se unindo para ajudar a minimizar os impactos dessa pandemia. Foi assim para a elaboração e recuperação de respiradores mecânicos, equipamentos de proteção individual, a construção de estruturas para atendimento aos pacientes da Covid-19 e será assim neste momento em que buscamos uma vacina para imunizar a população. Tudo isso comprava o compromisso da indústria e da classe empresarial em impactar positivamente na vida dos mineiros e dos brasileiros”, afirma o presidente da FIEMG, Flávio Roscoe.

As empresas Dasa, o grupo de saúde Mafra, a MRV, a Localiza Hertz e o Banco Inter participam do projeto com doações, já totalizando R$ 30 milhões para o desenvolvimento de estudo clínico para validar a vacina. A FIEMG vai mobilizar empresas com interesse em colaborar financeiramente para a realização do estudo. “Nos dá orgulho poder contribuir com essa alternativa de imunização. Quanto mais possibilidades e opções tivermos, com o objetivo de encontrar uma vacina que dê maior cobertura imunológica, melhor. Todo esforço é bem-vindo e quanto mais investimento, mais rápido poderemos ter uma vacina satisfatória e segura”, reforçou Roscoe.

O líder industrial mineiro explica que nessa frente de trabalho para a validação da vacina da Covaxx, o governo de Minas terá papel muito importante. “Parte dos testes, da tecnologia, das pessoas voluntárias, dos laboratórios, será dispendida aqui em Minas Gerais, por meio da Fundação Ezequiel Dias (Funed). O governo de Minas está junto e empenhado, atuando de forma rápida e proativa neste trabalho. Ao participar da pesquisa, o estado terá prioridade na compra, o que nos possibilita uma vantagem temporal e pode ser que tenhamos a vacina disponível em um prazo mais curto”, destacou.

Como será o estudo

A fase 2 e 3 será realizada com, no mínimo, três mil brasileiros para avaliar se a vacina provoca resposta imune (imunogenicidade), para definir as doses de segurança necessárias e a eficácia da UB-612. Com metodologia inovadora e proprietária, a vacina da Covaxx é baseada em peptídeos e projetada para disparar resposta celular, responsável por uma imunidade mais duradoura, e de anticorpos ao mesmo tempo, estimulando o organismo a produzir alta reação imunológica. Dependendo das respostas dos estudos clínicos, a vacina poderá ser aplicada em dose única.

O líder industrial lembrou ainda que o Serviço Social da Indústria (SESI) tem experiência e capilaridade para contribuir no processo de aplicação da vacina contra a Covid-19. “O SESI conta profissionais de saúde extremamente capacitados na área de imunização, já reconhecidos por toda a indústria mineira. Além disso, tem uma robusta estrutura física com capacidade de atender todo o estado de Minas Gerais. Mais uma vez, teremos condições de contribuir com essa batalha que estamos travando contra o novo coronavírus”, finalizou o presidente da FIEMG.