BUSINESS: MATUSALÉM NA TURQUIA

O presidente do Sistema Ocemg, Ronaldo Scucato, Luís Almeida, presidente do Sicoob Vale do Aço, e Matusalém Dias Sampaio, presidente da CONSUL

O presidente do Sistema Ocemg, Ronaldo Scucato, Luís Almeida, presidente do Sicoob Vale do Aço, e Matusalém Dias Sampaio, presidente da CONSUL

 

Matusalém Dias Sampaio, presidente da Consul, cooperativa de consumo com unidades em Ipatinga e Timóteo, está na Turquia, participando da Global Conference and General Assembly, encontro anual que discute o futuro do cooperativismo. Este ano, o tema principal é O que a cooperativa se parecerá no futuro.

Com o aumento de desafios trazidos pelas mudanças demográficas, a evolução tecnológica, a globalização ou a mudança climática, o mundo do trabalho está a enfrentar um futuro incerto. A este respeito, as cooperativas são um grande jogador, com mais de um quarto de milhão de trabalhadores em todo o globo, e um volume de negócios mundial de 2,2 trilhões de dólares.

Eles são importantes não só porque o número de empregos a criar, mas também por causa da qualidade do trabalho, diz Simel Esim, chefe da (Organização Internacional do Trabalho). Ela explicou como novas perspectivas da ONU  – como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – incluem o trabalho decente. “As cooperativas também foram identificados como meios de implementação”, disse ela.

Numan Ozcan, diretor do escritório da OIT para a Turquia, destacou a importante contribuição das cooperativas para a criação de trabalho decente: “Quando falamos de trabalho decente da OIT queremos dizer aos direitos no trabalho, oportunidades de emprego (não só mais empregos, mas também empregos com melhores termos e condições), a melhoria da proteção social e fortalecimento do diálogo social sobre questões relacionadas com o trabalho”, disse ele. “Em primeiro lugar, as cooperativas são uma parte do mundo do trabalho como eles são instituições do mercado de trabalho.Eles são empresas do setor privado e também os empregadores. Eles geram empregos diretos e indiretos”, completou. 

As cooperativas podem ajudar os 2,5 milhões de refugiados da Síria e do Iraque atualmente hospedados pela Turquia

Sr. Ozcan também acha que cooperativas de trabalhadores têm mostrado como responder a crises, de natureza financeira ou causados ​​por desastres naturais e conflitos. Ele acredita que as cooperativas têm um papel a desempenhar na melhoria da capacidade de resistência dos refugiados. “Essas pessoas precisam de empregos decentes e uma renda para construir um futuro melhor para suas famílias. Essas cooperativas podem ajudar. Eu gostaria de incentivar a conferência a olhar para a sua contribuição potencial para assegurar uma vida melhor para os refugiados “, disse ele.

Inovação e desenvolvimento sustentável também estão na agenda da conferência de pesquisa.