ARTISTA DE IPATINGA FAZ BATE-PAPO COM ARTISTA RENOMADO

O bate-papo será com o rapper Dum Dum do Facção Central via Instagram do Portal de cultura urbana, no dia 19 de setembro, às 17:00h, pelo link a seguir: https://www.instagram.com/portaldeculturaurbana/

A primeira live do artista @b.boyluizin aconteceu no dia 08 de agosto, às 17:00h com o objetivo de anunciar uma série de lives que estaria por vir via universo on-line. De lá pra cá, o B.boy entrevistou, no dia 19 de agosto, o bailarino, professor e coreógrafo de renome nacional e internacional Vanilton Lakka de Uberlândia,MG.

Em seguida, no dia 26 de agosto, Luizin entrevistou o cantor, compositor e arte educador social Nelson Triunfo de São Paulo. A live foi um sucesso e obteve aproximadamente quase 600 expectadores conectados mandando um salve e fazendo perguntas para o Triunfo.

Anotem aí! O próximo bate-papo será com o rapper Dum Dum do Facção Central via Instagram do Portal de cultura urbana, no dia 19 de setembro, às 17:00h, pelo link a seguir: https://www.instagram.com/portaldeculturaurbana/
Assim como Racionais, Facção Central também é um grupo que inspirou muitos artistas da velha e a nova geração do rap nacional, o grupo alcançou repercussão devido ao forte conteúdo de suas letras. Tiveram até videoclipe censurado.

Dum Dum

Washington nasceu em São Paulo em 1969 e conviveu com uma infância pobre. Começou a trabalhar cedo, aos onze anos de idade, entregando jornal. Como o emprego não rendeu o esperado, ele resolveu ser peixeiro, profissão na qual exerceu até os 17 anos, quando ingressou em uma empresa de fotolitos, que faliu.[1]
Washington que na época já havia recebido o apelido de Dum-Dum, colocado por sua avó em um personagem negro de gibi – decidiu, então, entrar para o mundo do crime,[1] como traficante, e também se tornou usuário de maconha e cocaína. Foi preso pela primeira vez aos 27 anos.[1] Dum-Dum ficou três meses na cadeia, durante os quais sua filha nasceu, até ser absolvido por falta de provas.
O primeiro contato de Dum-Dum com o rap aconteceu em um show do grupo Racionais MC’s, o principal do Brasil neste estilo, e foi quando o ex-presidiário decidiu virar cantor.[1] Segundo palavras do próprio, “se não fosse o rap eu não estaria vivo”. Entrou para o Facção Central em 1989, quando o grupo já contava com três integrantes, e mantém-se no mesmo até hoje, com a produção de oito trabalhos.[1]
Com a saída de Eduardo e Smith em 2013, Moysés, ex-integrante do grupo A286 e Bihel foram os substitutos. Em agosto de 2015 Moysés e Bihel deixaram o grupo. Em Dezembro de 2015 Dum-Dum com a produção de DJ Pantera lançou o oitavo álbum do Facção Central, o primeiro sem Eduardo, “A Voz do Periférico”.

Sobre Luizin:
B. Boy Luizin na vida e Wesley Luiz Costa Ribeiro na certidão de nascimento redigida em Governador Valadares, onde ele veio à luz em 1989. Luizin é membro do Conselho Municipal de Políticas Culturais de Ipatinga, empreendedor na área da construção civill e criador de conteúdo para o universo online. Luizin criou o site www.portaldeculturaurbana.com que, apesar de natural de Ipatinga, principal berço das inspirações que deram forma ao canal de notícias, vai ganhando o mundo graças às diferentes linguagens urbanas com as quais incontáveis pessoas se identificam.
No que diz respeito à sua veia de empreendedor, ela pulsa pela marca Ribeiro Soluções em Pinturas (www.ribeirosemp.com), que trabalha com reformas em geral, especialmente com dar cores aos espaços.
INFÂNCIA
Ainda récem-nascido, Luizin chega ao Vale do Aço, mais precisamente na cidade de Coronel Fabriciano, onde morou por um curto período. Posteriormente, em 1992, ele se muda para Ipatinga, onde passa a arriscar os seus primeiros passos de dança. Em 1995, por incentivo de sua mãe de criação, Glória Maria, a Glorinha, Luizin passa a imitar o astro norte-americano Michael Jackson, que vivia uma realidade bem diferente da que Luizin levava na rua Antônio Boa Ventura Batista, no bairro Vila Celeste.
Por um curto período de tempo, Luizin morou na cidade de Vargem Alegre. Em meados de 1999, ele volta a Ipatinga onde ingressa na Escola Estadual Manoela Soares Bicalho. O prazer do artista era acompanhar e observar de perto o grafiteiro Jhonatan, o Jhons Mendes, que dava dicas de graffiti para as pessoas que curtiam a arte visual. Por incentivo de sua prima Liliane, em 2001, Luizin ingressa na Capoeira na Escola Estadual Manoela Soares Bicalho, por meio do Projeto Art Vida, na comunidade do Vale do Sol. Em 2002, fez amizade com vários MC´s da Vila Celeste que na época foram responsáveis por levar a batalha de rima pela primeira vez à ciclovia e ao Shooping do Vale do Aço. Ainda nessa época, o artista dividia seu tempo entre a dança (popping), aos esportes, como o futebol, volley ball, handball, soltava pipa, jogava birosca, e desenvolvia outras atividades. A dança ainda não fazia parte do cotidiano e estilo de vida do artista.
Antes de iniciar no breaking, Luizin jogava vôleibol, e chegou a ser medalhista de ouro em 2005 e bronze em 2006, nos Jogos Escolares de Ipatinga – JEI. Foi por meio desse esporte, que ele percebeu a movimentação de jovens trajando figurinos bem ao estilo dos norte-americanos. O jovem, que na época tinha apenas 14 anos, foi ao encontro dessa galerinha que se alegrava ali pela dança, o que foi fundamental para que Luizin tivesse a certeza de que era isso que ele sempre quis fazer. Por causa da sua timidez, Luizin adiava o momento de se aproximar de Gabriela que o viu fazendo aulas de breaking com Markin, o Marcos Santos. Gabriela residia no bairro Vila Celeste antes de se mudar para a Itália.

Depois de um tempo envolvido com as aulas de Markin, Luizin dividia seu tempo entre o breaking, capoeira e o vôlei. Com o tempo, à galera do Markin se dispersou e apareceu a turminha do Waldeci, o Cidiboy, que dançava nas quadras do Parque Ipanema também. Sua amiga Rosana apresentou Luizin a esse grupo, com quem fez amizade, um sentimento que dura até hoje, com quem ele sempre mantém contato. Foi por meio da turma do Cidiboy que surgiu o Revolution Break Crew e que o B.Boy Luizin se aperfeiçoa na dança do breaking.

Consta no currículo de Luizin a participação em vários vídeos clips com artistas do Vale do Aço, em eventos regionais, nacionais e internacionais. Por meio do breaking, Luizin conheceu importantes ícones da cultura hip hop nacional e internacional e desde 2007 vem ministrando aulas gratuitas para as comunidades de Ipatinga; foi homenageado pelo segundo CD do grupo Porti Jesus; homenageado pela Câmera dos Vereadores de Peruíbe (SP), em 2017; recebeu uma moção de aplausos da vereadora e pastora Márcia Perozini; homenageado pelo Nélson Triunfo (padrinho do hip hop nacional), e viajou fazendo intercâmbios, levando a sua arte para a Serra (ES), Vila Velha (ES), Vitória (ES), Periquito (MG), Governador Valadares (MG), Santana do Paraíso (MG), Mesquita (MG), Manhuaçu (MG), Caratinga (MG), Açucena (MG), São Sebastião do Anta (MG), Frutal (MG), Belo Horizonte (MG), João Monlevade (MG), Itabira (MG), São Vicente (SP), São Paulo (SP), Ana Dias (SP), São José do Rio Preto (SP), Guarulhos (SP) e Ribeirão Preto (SP).

Prêmios conquistados:
2017 – 3º Lugar na Batalha de Breaking na Batalha do Boca (Peruíbe – SP);
2017 – 1º Lugar na Batalha de Breaking na Batalha do Boca (Peruíbe,SP);
2015 – 1º Lugar no Seven To Smoke, promovido pelo coletivo Projeto de Rua na Praça do Bom Jardim (Ipatinga, MG);
2014 – 2º Lugar na Batalha de Breaking da II Mostra de Jovens Talentos, promovido pelo Fica Vivo na Praça da Maçônica (Ipatinga,MG);
2011 – 1º Lugar na Batalha de Breaking do Encontrão Hip Hop, promovido pelo Sintonia Crew (Ipatinga,MG);
2011 – 1º Lugar na Batalha de Coreografia promovida pela Igreja Universal do Bairro Canaã (Ipatinga,MG).