A NOVA CASA DE DONA DALVA É PREMIADA

Um imóvel na Vila Matilde, zona Leste de São Paulo, ganhou na categoria casa o prêmio internacional Building of the Year 2016, que elege entre milhares de projetos as 14 melhores construções do mundo.A tão falada casa é de Dona Dalva e fica localizada na Vila Matilde, na zona Leste, em São Paulo. O que chamou a atenção de todos é que o projeto foi feito com muita qualidade e baixo custo pelo escritório paulistano Terra e Tuma. Com apenas 150 mil reais, a mudança foi completa, incluindo preço do projeto e a construção. A antiga casa de Dona Dalva sofria problemas estruturais e, depois de um pedaço do teto e forro cair no quarto de sua mãe, seu filho Marcelo procurou o escritório dos sócios Danilo Terra, Pedro Tuma e Fernanda Sakano, pois era conhecido distante de um dos arquitetos.

O desafio dos arquitetos foi compatibilizar uma solução arquitetônica que fosse adequada ao orçamento restrito da cliente e, ao mesmo tempo, que fosse possível de se construir rapidamente, uma vez que Dona Dalva não poderia viver muito tempo de aluguel enquanto sua nova casa era construída. A solução foi então optar por fazer fechamentos em blocos de concreto e as lajes pré-fabricadas de concreto armado. O bloco de concreto tem função estrutural no perímetro da escada. O acabamento é concreto aparente, típico da arquitetura moderna paulista, e também usado na arquitetura contemporânea.

Mesmo este sendo essa a concepção final, os arquitetos preveem a possibilidade de apropriação do espaço pela moradora através da instalação de um novo revestimento. Dona Dalva já expressou sua vontade de revestir o piso de cerâmica. A disposição dos ambientes é simples e funcional: entra-se pela sala de estar/jantar, que tem ventilação cruzada e iluminação através do pátio interno. Em seguida, tem-se um corredor “funcional”: este é também usado como área de circulação/trabalho nos ambientes do lavabo, cozinha e lavanderia. Todas as áreas comuns foram projetadas de forma integrada para gerar um espaço amplo. A economia de espaço se deu nas áreas íntimas, o caso das suítes. A intenção, ademais, é promover uma maior integração entre os membros da residência, ao qualificar as áreas de convivência.

No segundo andar, além da suíte de Dalva e do filho, há uma laje livre, que atualmente recebe uma horta. Essa área permite uma possível e futura expansão da residência, conforme o desejo de seu residente. Vejam que interessante: