A CHIQUE! CHEGOU!

Hoje eu quero falar de flores.

Quero falar de beleza, de elegância, de emoção, de empatia e profissionalismo que abraçam a CHIQUE! com delicadeza e respeito. Quero falar daqueles e daquelas que se sensibilizam com o belo, o bem feito, o conteúdo e o conceito do fazer pra valer. São eles e elas que nos impelem a seguir, praticando a auto exigência de qualidade como nosso maior patrimônio. É deles que recebemos a energia necessária para trabalhar com dignidade e esperança, mesmo que portas de fechem e histórias caiam no vazio.

Nossa capa, Lorena Marra, traduz o poder feminino em atitudes que incentivam as mulheres a serem para além do espelho. Ela é muito, muito mais que apenas um rosto – e um corpo – perfeitos.

Como o mês é de se comemorar o Dia dos Pais, a homenagem da CHIQUE! vem através da diversidade de exemplos, todos dignos dos maiores aplausos.

Há um novo movimento de gente se indignando com os desastres que matam e destroem, devorando tudo através da lama, seja ela física ou no sentido figurado. Uma dessas pessoas eu conheço e aplaudo: é Claudiane Aparecida de Sousa, doutoranda pela Universidade do Vale dos Sinos – Unisinos/Rio Grande do Sul. Ela desenvolve pesquisa sobre processos comunicacionais dos atingidos por barragens: o crime socioambiental sob o ponto de vista dos sujeitos comunicantes. Parte de seu trabalho ela mostra aqui, com fotos do fotógrafo Nilmar Lage, que a acompanha no trabalho de conclusão do curso.

As festas…ah, as festas! Noites de realização de sonhos, comemorações que unem famílias e amigos para além do comer e beber, celebrando com alegria, sempre!

E sobre beleza fala Ludmilla Rampinelli, fisioterapeuta, biomédica e graduanda em medicina, que tem no portfólio trabalhos fantásticos que se traduzem em toques sutis de aperfeiçoamento dos contornos faciais e corporais. Aqui, ela dissipa dúvidas sobre o desejável e o ponderável.

No Morar Bem, a apresentação de uma empresa que tem crescido no mercado com o diferencial do design e da qualidade, e que transforma projetos de profissionais exigentes em realização perfeita.

Nossa Cozinha CHIQUE! ganhou o tempero de uma doce saudade, traduzida no fazer da massa que vai para a mesa e multiplica o afeto. Assim a jornalista Mari Penna dá a letra de como sua avó fazia…

Já o produtor cultural Éderson Caldas conta suas impressões sobre uma viagem que nada teve de lugar-comum, apesar das cidades escolhidas serem de unanimidade mundial.

Boa leitura.

Raquel de Carvalho